Notícias de eventos culturais, lançamentos etc.
 
Início
Tecnologia
Saúde
Negócios
Variedades
 
Contato
Indique
Incluir Notícia
Imagens em Destaque
Quinta-Feira, 20 de Setembro de 2018
 

Levar a sério o direito à liberdade é incompatível com a \"cura gay\" - 16/04/18

Indique - Contato - Compartilhar:


Lawrence Estivalet de Mello*

O caso da cura gay (ou “reorientação sexual”) deve ser analisado à luz da liberdade prevista na Constituição Federal (CF/88) e na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF). De forma clássica, atribui-se a formulação jurídica do direito à liberdade à Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789): \"A liberdade consiste em poder fazer tudo que não prejudica ao outro\" (art. 4º). Trata-se da compreensão de que cada um pode, \"prima facie\", fazer ou deixar de fazer o que quiser. \"Prima facie\", no entanto, significa \"caso nenhuma restrição ocorra\". Não é o caso da liberdade científica (CF/88, art. 5º, IX) ou da liberdade profissional (CF/88, art. 5º, XIII).

A liberdade profissional informa que é livre o exercício de todo trabalho, desde que “atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer\". Isto é, existe uma reserva legal qualificada para o exercício da profissão, não sendo possível a qualquer pessoa realizar qualquer ofício, como quiser, sob risco de fraude e ilicitude.

A liberdade científica, por outro lado, só existe quando o pesquisador exercer ciência, e não culto ou fé, sem que nesse exercício de ciência seja realizada discriminação atentatória a direitos fundamentais (CF, art. 5º, XLI). É por isso que o Supremo negou liberdade a S. Ellwanger, quando o autor editou livro racista, eis que discriminação e liberdade jamais caminham juntas (STF, HC n. 82424). Em exame dos fundamentos da decisão referente à cura gay - que permite a psicólogos a realização de estudos e atendimentos para \"(re)orientação sexual\" -, sublinham-se equívocos em três aspectos:

1. A liberdade científica não permite estudos preconceituosos, discriminatórios e anticientíficos, como é o caso de qualquer pesquisa que busque \"(re)orientação sexual\", conforme compreensão da Organização Mundial da Saúde (1990), no mesmo sentido da leitura de Freud sobre a homossexualidade (1935);

2. A liberdade profissional não permite tratamentos contrários à lei e a restrições ético profissionais, o que torna obrigatória a observância da Resolução n. 01/2017 do Conselho Federal de Psicologia, que proíbe qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas (art. 3º);

3. As liberdades profissional e científica são limitadas por outros direitos fundamentais, como o direito à liberdade sexual, no qual estão inclusas a intimidade sexual e a privacidade sexual (STF, ADPF n. 132, julgada por unanimidade). Ou seja, todo ataque à vida privada sexual é uma violação a direito fundamental (CF, art. 5º, X). Atendimentos psicológicos que realizem tal ilicitude são, em verdade, tortura psicológica e violência inadmissível e repudiável.

Seria possível, ainda, realizar considerações sobre a impropriedade formal da decisão, uma vez há absoluta impertinência na utilização da ação popular para tutelar a pretensão dos autores. Todavia, para além desta questão técnica, é possível e necessário concluir que a decisão é discriminatória, anticientífica, incompatível com o direito à liberdade e, portanto, inconstitucional. Violar a vida privada para propor tratamento falso e estelionatário é ilegal, fraudulento e deve ser repudiado por todos que levam o direito a sério.



*Lawrence Estivalet de Mello é professor do curso de Direito da Universidade Positivo, bacharel em Direito e em Filosofia, Mestre e Doutorando em Direito pela UFPR.



Indique esta notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Nome indicado

E-mails dos indicados (separados por vírgulas)

Mensagem (opcional)

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Entre em Contato com o responsável pela notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Voltar
Envie arquivos
Agenda
Cotia
20/09/2018

Uninter Cotia (SP) realiza palestra sobre a plataforma eSocial
Belém
20/09/2018

Le biscuit inaugura sexta loja no Pará
Osasco
20/09/2018

SuperShopping Osasco recebe a Crocs na ação do Super para Você desta quinta-feira
São Paulo
20/09/2018

Stefanini promove encontro de executivos com palestra de Ricardo Amorim
Pedra Azul
20/09/2018

Mcafee participa da 3ª edição do ish cio fórum
Sorocaba
22/09/2018

The Underground 4: para os apaixonados por velocidade
Ponta Grossa
22/09/2018

Sebrae/PR e aceleradora Darwin lançam programa para startups em Ponta Grossa
São Gonçalo
22/09/2018

Partage Shopping São Gonçalo promove apresentação da banda Brazilian Pipers em comemoração aos 128 anos da cidade
Sao paulo
23/09/2018

Cover de Leci Brandão no Samba do Voluntário aos Lgbts e Deficientes
São Paulo
24/09/2018

Espaço quai d'orsay sedia curso internacional de sommelier de charutos
campinas
25/09/2018

CineMaterna estreia com 50 cortesias no Parque D. Pedro Shopping estreia
São Paulo
26/09/2018

Wálter Maierovitch discute criminalidade organizada em evento gratuito
Rio de Janeiro
28/09/2018

Primeiro Congresso Internacional de Odontologia e Saúde Integrativa
São Paulo
28/09/2018

eSocial: Aumenta procura por capacitação em Análise Ergonômica
Rio de Janeiro
29/09/2018

Segunda edição do Congresso Internacional de Peritagem de Obras de Arte

Copyright © 2008 JORNOW. Todos os direitos reservados