Início
Tecnologia
Saúde
Negócios
Variedades
 
Contato
Indique
Incluir Notícia
Imagens em Destaque
Terça-Feira, 28 de Maio de 2024

Construindo uma resposta eficaz a um desastre cibernético - 04/03/24


Compartilhar:

Em sua análise anual de interrupções, o Uptime Institute detectou que 60% dos gerentes e operadores de data centers participantes do levantamento registraram ao menos uma interrupção significativa ou grave em sua organização nos últimos três anos. A pesquisa também revelou que ataques cibernéticos e de ransomware se tornaram uma causa crescente de interrupções, ou seja, geradores de tempo de inatividade.
O fato é que diferentes pesquisas apresentam o mesmo resultado: as ameaças do cibercrime estão aumentando significativamente. “Não importa se a causa é um terremoto ou um ataque malicioso, a realidade é que qualquer tempo de inatividade é caro”, resume Caio Sposito, country manager da Arcserve Brasil, a fornecedora mais experiente do mundo de soluções de backup, recuperação e armazenamento imutáveis para resiliência unificada de dados contra ransomware e desastres.
Um estudo global independente da Arcserve apontou que as empresas ainda estão perdendo dados críticos pois, embora 95% dos entrevistados tenham afirmado que sua empresa tinha um plano de recuperação de desastres, apenas 24% efetivamente têm um plano maduro que é bem documentado, testado e atualizado. Tendo isso em mente, é possível elaborar um guia detalhado envolvendo preparação, resposta e gerenciamento de situações de desastre com o objetivo de se obter uma recuperação mais rápida e eficaz do sistema.
“Quatro diretrizes básicas são suficientes, começando pela análise do incidente”, informa Caio, lembrando que entender a extensão do ataque é essencial para uma resposta eficiente. “As ferramentas de segurança para detectar e mitigar vulnerabilidades conhecidas devem estar atualizadas; a empresa precisa contar com programas contínuos de treinamento e de conscientização de funcionários que capacitem seu pessoal com o conhecimento necessário para identificar e relatar possíveis violações rapidamente; e deve ser criada uma equipe de resposta a incidentes como parte de um plano de recuperação de desastres. Essa equipe precisa estar treinada e pronta para responder a incidentes de segurança e munida de procedimentos claros e das ferramentas necessárias para uma resposta rápida”, detalha o executivo.
O passo seguinte é reunir provas. Após um desastre, especialmente um incidente de segurança cibernética, coletar evidências, incluindo o estado atual de seus sistemas, é uma etapa crítica que deve ser abordada metodicamente. “Os sistemas comprometidos devem ficar em quarentena, evitando a expansão das perdas; devem ser criadas cópias digitais precisas dos dados; coletadas evidências digitais do sistema, bem como evidências físicas de violações de segurança, além de consultar especialistas jurídicos com o objetivo de assegurar a conformidade com leis e regulamentos relevantes, bem como verificar a admissibilidade de provas, se necessário para ações legais”, recomenda o executivo.
O terceiro passo é ativar o Plano de Gerenciamento de Crise. Para Caio Sposito não basta apenas ter um plano. “Ele tem que estar atualizado e incluir papéis e responsabilidades claramente definidos para que todos possam agir imediatamente quando ocorrer um desastre; incluir uma lista com todos os funcionários críticos e partes interessadas para garantir uma resposta rápida; estratégias de comunicação planejadas para dentro e fora da sua organização, incluindo mídia e clientes; e procedimentos de escalonamento estabelecidos que definam o que constitui uma crise e as medidas que devem ser tomadas quando um incidente excede os limites estabelecidos”.
A etapa final consiste na avaliação dos esforços de resposta ao desastre. “Após uma crise, é essencial avaliar a resposta dada para se obter uma visão holística do incidente, envolvendo ativamente todos os departamentos para descobrir o que aconteceu”, recomenda Caio. Neste sentido é importante empregar metodologias e ferramentas de avaliação eficazes, que incluam tempo de resposta, tempo de recuperação e impacto geral; reunir e analisar dados de diversas fontes, desde os registros de incidentes até o feedback de funcionários e clientes; e investir em soluções de continuidade de negócios, backup de dados e de recuperação de desastres que garantam que a organização seja resiliente, capaz de sempre recuperar seus dados e de reduzir ao mínimo o tempo de inatividade.
“As estratégias de comunicação, os procedimentos de coleta de evidências e o processo de gerenciamento de crises devem ser claramente definidos e compreendidos por todos da equipe. Em uma crise, cada minuto conta e a grande verdade é que estar preparado ainda é a melhor defesa contra os múltiplos danos acarretados por um desastre”, conclui Caio Sposito.



Indique esta notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Nome indicado

E-mails dos indicados (separados por vírgulas)

Mensagem (opcional)

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
Entre em Contato com o responsável pela notícia:
Seu nome

Seu e-mail

Mensagem

Reproduza na caixa de texto, o código anti-spam abaixo



  
 
 Agenda
 

São Paulo

30/05/2024
Forrobodó do Sertão agita o Parque Villa Lobos nos dias 30 e 31 de maio

São Paulo

01/06/2024
Cris Barulins agita o Sesc no ritmo de pandeiros

São Paulo

04/06/2024
Rayflex apresenta soluções para o controle de contaminação na FCE Pharma 2024

Uruaçu

06/06/2024
HCN sediará a 2ª edição da Semana do Meio Ambiente e Saúde

Sertãozinho/SP

16/06/2024
Entidade de Sertãozinho, Casa Abrigo Nosso Lar, realiza 26ª edição do Porco no Rolete

Copyright © 2008 JORNOW. Todos os direitos reservados